Empreendendo e Aprendendo

Conteúdos sobre como administrar e desenvolver bem a sua empresa. Treinamentos, dicas de gestão, notícias sobre o mundo digital e muito mais!

8 dicas para seu e-commerce ter sucesso em meio à pandemia

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Capa_26_06_Compre.jpg

A crise econômica gerada pela pandemia está sendo, entre muitas outras coisas, uma espécie de catalisador na transição de negócios do mundo físico para o digital. Empresas que tinham planos de digitalizar seus processos tiveram que antecipar o cronograma e partir para o e-commerce como medida de sobrevivência.

Ainda que a velocidade no processo tenha sido essencial para evitar prejuízos maiores, muitos empreendedores menores, com operações majoritariamente físicas, agora estão encontrando dificuldades para manter o fluxo de vendas. Além do desafio de se destacar no vasto mar da internet, eles competem com gigantes que já vinham se aventurando nessas águas há mais tempo.

Por isso, o empreendedor precisa da disposição para o novo, estudar por conta e começar a pôr em prática alguns aprendizados.

1. Tenha acesso a uma plataforma.

Se o empreendedor quer começar essa transição do zero, pode optar por criar um site. A plataforma gratuita WIX é boa e simples para quem não tem muita experiência em montar as coisas do zero. É possível criar um design e começar a expor os produtos ou serviços. Vale ressaltar que essa opção exige mais tempo e esforço.

Para quem quer algo mais prático, porém menos personalizado, existem algumas opções, como as plataformas NuvemShop, que tem planos a partir de R$ 49,90 por mês, e Loja Integrada, que possui opções gratuitas. Em ambos os casos, elas auxiliam o empreendedor, hospedando o e-commerce.

Ainda, para quem quer vender, mas não quer montar um site obrigatoriamente, há ferramentas apenas para intermediação de pagamentos como a Juno, o Ebanx Beep, além de cadastro dos produtos em marketplaces como o Olist”.

2. Apresente boas imagens.

No e-commerce a imagem passa a ser um item muito importante na apresentação do produto. Na internet, o cliente compra a foto. Use imagens bonitas, que valorizem o produto. De preferência, apresente o item com mais de uma foto, de vários ângulos e em uma situação de uso. Por exemplo, uma pessoa vestindo a camiseta.

Ainda, outra opção, se o empreendedor quiser investir mais tempo, é fazer um vídeo mostrando onde e como usar um utensílio de cozinha, entre outras coisas. Se for fazer algum vídeo, escolha um lugar silencioso e use aplicativos de celular para uma eventual edição. Não precisa necessariamente ser super profissional.

3. Invista em marketing de conteúdo.

Outra dica é a aplicação do marketing de conteúdo. Na prática, é pensar em produzir conteúdo para criar um relacionamento com o cliente. Não se trata apenas da venda, mas de mostrar a facilidade do uso antes da compra. Um blog pode ajudar bastante na relevância do Google. Plataformas como WordPress e Medium, que são gratuitas, podem ajudar os pequenos negócios na produção de conteúdo.

4. Dispare e-mails.

Outra estratégia que pode ser útil é a captura de e-mails. Esse é um bom canal porque é possível disparar para uma base de clientes informações direcionadas. Além de capturar o endereço no momento da compra, dá para inserir os pop-ups (quando a pessoa entra ou sai do site) oferecendo um cupom pra quem se cadastrar. O e-mail também pode ser usado para enviar os conteúdos mais produzidos.

Essas estratégias de captura são os primeiros passos do chamado inbound marketing, que consiste em usar os seus canais, como site, blog, redes sociais, etc. para gerar cadastros e transformá-los em clientes. A chance de esses consumidores serem fiéis e recomendarem a empresa é muito maior, porque eles tiveram um contato maior com a marca antes da compra.

5. Adote ferramentas úteis.

Outra parte importante do negócio online é acompanhar os resultados e a performance. Essas ferramentas são parte da estratégia inicial de SEO (Search Engine Optimization ou otimização para os motores de busca, em tradução livre), que é o trabalho feito para entender algoritmos de busca e melhorar o ranqueamento do seu site no Google.

6. Relevância no site.

Mesmo com o conhecimento de algumas ferramentas de performance, o site precisa ganhar relevância. Use palavras-chaves dentro do seu segmento, identificando grupos de termos que vão fazer o seu site ou página de conteúdo aparecer primeiro no resultado de buscas.

Uma ferramenta, também gratuita, que pode ajudar nesse quesito é o Google Search Console, uma espécie de caixa de ferramentas do seu site, que mostra dicas de ranqueamento, problemas do site, suporte, ferramentas de testes, guias para melhorar o desempenho, entre outras opções.

7. Atenção especial ao consumidor.

Parte da estratégia digital é criar um novo relacionamento com o cliente. A principal dica é manter uma relação transparente e próxima. Diga a verdade e se importe. Envie um bilhete, cartão, mimo de agradecimento quando o cliente comprar algo. Mostre que vocês estão juntos. Não é obrigatório, mas o efeito pode ser muito positivo. Consumidor feliz com atendimento gera indicação. Às vezes, o preço não é o melhor, mas a confiança na qualidade ganha.

8. Foco no novo “P” de processos.

Karine Karam, da ESPM, afirma que hoje o empreendedor não se preocupa mais apenas com os “4 Ps” (produto, preço, praça e promoção). “São sete porque devemos incluir processos, pessoas e palpabilidade. O foco no atendimento no ambiente digital é muito importante. É preciso que o funcionário esteja treinado para atender de longe, com uma demanda online muito grande. Tem que ter escuta e interpretação mais atentas e respostas completas. Em um momento de urgência, saber ouvir é crucial”, afirma.

O foco nos processos ganha espaço principalmente na pandemia. “Um pedido pelo WhatsApp exige um sistema por trás, alguém anotando tudo e passando para o time de entrega? Uma planilha para organizar? Como atender seis pessoas de uma vez? Abusar da tecnologia e contar com parceiros são algumas saídas. Restaurantes estão operando com duas portas diferentes: uma exclusiva para iFood e Rappi e outra para clientes que vão até lá buscar as encomendas. Simples, mas é processo”, diz.

Fonte: InfoMoney. Publicado em 25/06/20, às 06h00, por Giovana Sutto.https://www.infomoney.com.br/negocios/8-dicas-para-seu-e-commerce-ter-sucesso-em-meio-a-pandemia-e-se-destacar-nas-buscas-do-google/


Veja também