unilever
Nós usamos cookies - os cookies nos informam quais partes dos nossos sites você visitou, nos ajudam a medir a eficácia dos anúncios e pesquisas na web, bem como nos fornecem informações sobre o comportamento do usuário, para que possamos melhorar nossas comunicações e produtos. Saiba mais sobre isso no Aviso de Cookies

Notícias e negócios

Informações sobre as medidas lançadas pelo Governo e pelas entidades públicas para preservar o emprego, a renda e apoiar as empresas.

Pequeno varejo tem sido fundamental para a revitalização das cidades

A compra em estabelecimentos comerciais perto de casa se tornou imperativa diante da necessidade de distanciamento social e da consequente redução do descolamento das pessoas. Até por isso, os pequenos varejistas, os mercados e as lojas de bairro, ganharam um protagonismo como há tempos não se via.

A importância deles para a revitalização das cidades mesmo depois que a pandemia de Covid-19 passar foi tema de um dos debates do segundo dia do Retail’s Big Show, maior evento de varejo do mundo, promovido pela National Retail Federation (NRF), a federação que representa o setor nos EUA.

A vice-presidente de Estratégias de Educação da NRF, Susan Reda, conversou sobre o assunto com o fundador e CEO da Lightspeed, Dax Dasilva. A Lightspeed é uma fornecedora de software de ponto de venda e comércio eletrônico com sede no Canadá.

Susan Reda comentou como a pandemia causou mudanças massivas no comportamento do consumidor e destacou o fato de a empresa de Dasilva operar, especialmente, com pequenos negócios, que têm se mostrado extremamente resilientes apesar da crise.

“Vimos o surgimento de mais canais digitais e uma preocupação grande com a recuperação. Percebemos que os pequenos negócios são mais ágeis, flexíveis e capazes de se adaptar do que imaginávamos. Antes, ser omnichannel era uma ambição para eles; agora, é essencial”, disse o executivo. “Enquanto as vendas como um todo cresceram menos, as nossas tiveram um incremento de 20%.”

Segundo Dasilva, todos os setores aprenderam a se adaptar, cada um a seu modo, aos diferentes estágios da pandemia.

“A adoção da tecnologia foi o que fez esses negócios serem resilientes. Eles estão dispostos a usar todas as ferramentas da caixa para garantir que vão continuar vendendo”.

Ele ainda destaca que as lojas físicas, se ainda não o fizeram, terão de reagir à nova realidade criada pela pandemia. Se antes se falava muito sobre como criar novas experiências para o consumidor, agora, na opinião dele, elas terão de estar necessariamente ligadas à tecnologia. Ele citou exemplos como a adoção de modelos clique e retire e drive-thru. Experiências e pagamentos sem contato também devem fazer parte do “legado” da pandemia.

Maior valorização da compra local

Os investimentos feitos pelos pequenos negócios têm ecoado bem para os clientes. O executivo disse que, atualmente, 55% dos norte-americanos estão dando preferência a eles. “Todos aprendemos a valorizar a importância da compra local”, acredita.

Fonte: Mercado e Consumo – Publicada em 14/01/2021


Veja também