unilever
Nós usamos cookies - os cookies nos informam quais partes dos nossos sites você visitou, nos ajudam a medir a eficácia dos anúncios e pesquisas na web, bem como nos fornecem informações sobre o comportamento do usuário, para que possamos melhorar nossas comunicações e produtos. Saiba mais sobre isso no Aviso de Cookies

Loja Perfeita

Tenha as melhores estratégias de execução, conheça mais sobre os diferenciais dos produtos e alavanque as vendas do seu negócio.

Unilever aumenta foco na carne vegetal

Empresa fecha parceria com o localizador Gofind para, via satélite, ajudar clientes a buscar suas proteínas vegetais.

Alimentação saudável onde o vegetariano ou vegano está. Com esse pensamento, a gigante Unilever fechou parceria com a Gofind, localizador omnichannel, para expandir o acesso dos clientes aos itens fabricados pela bandeira no Brasil. Neste caso, especificamente, à marca The Vegetarian Butcher, composta por carnes à base de proteína vegetal. A intenção da multinacional anglo-holandesa é conquistar o paladar do flexitariano, público disposto a reduzir o consumo de proteína animal, mas sem a eliminar do cardápio.

São 63% de flexitarianos no Brasil, segundo a Sociedade Brasileira Vegetariana (SVB). “Ainda que o número de vegetarianos e veganos esteja crescendo muito, o flexitariano representa parcela muito grande da maioria dos mercados mundiais”, afirmou à DINHEIRO Ricardo Marques, vice-presidente da Unilever Food Solutions.

A Gofind terá papel fundamental no plano de expansão da linha The Vegetarian Butcher, composta por almôndega (recém-lançada), hambúrguer, empanados de frango e carne moída. A ferramenta para localização de produtos em lojas físicas, além de virtuais e aplicativos de delivery, definiu uma estratégia de divulgação que será realizada em três fases. Na primeira, já em andamento, os itens da marca são vendidos apenas para os operadores de food service, casos de restaurantes, padarias e lanchonetes.

São cerca de 180 pontos em São Paulo e no Rio de Janeiro. Já na segunda etapa, os estabelecimentos parceiros ganharão maior presença digital, por meio do Google Meu Negócio, de forma que os consumidores encontrem os locais próximos que oferecem os produtos no cardápio. Na terceira e última fase os dados gerados pela Gofind permitirão que a Unilever planeje e execute novas ações de vendas e distribuição de produtos.

A tecnologia utilizada pela Gofind vai possibilitar que o interessado acesse, busque e encontre os locais próximos que disponibilizam os produtos da linha The Vegetarian Butcher. Como estratégia, a Unilever irá selecionar restaurantes e canais de venda, inserindo os produtos em pratos especiais, cardápios e catálogos, incentivando a experimentação. “Independentemente de estarmos em uma pandemia, de forma geral ninguém quer perder tempo. Todo mundo quer descobrir as coisas rapidamente e resolver o mais próximo de casa possível”, afirmou Fernando Farias, CEO da Gofind. “Temos o propósito de diminuir a distância entre a marca e os consumidores.”

Para desempenhar o seu papel, a Gofind receberá da indústria a informação de onde cada produto está sendo positivado e um algoritmo de machine learning calculará a chance de encontrar os itens em todas as lojas abastecidas. “A gente acaba mostrando para esses clientes todos os pontos mais próximos onde têm aquele produto para ele consumir no momento”, disse Farias.

A ideia de lançar os produtos no mercado de food service foi para permitir que os chefs utilizassem a criatividade e a experiência para transformar a matéria-prima em receitas atrativas. A partir dessa iniciativa, será realizada a expansão a outras regiões do Brasil. “Esses produtos integram a primeira rodada básica de atendimento. Ao longo do tempo, vamos ter também outras soluções”, afirmou o vice-presidente da Unilever Food Solutions. “A nossa proposta é ser o maior açougue do mundo.”

A aposta da empresa está na boa aceitação do consumidor brasileiro. Foram realizadas adaptações na textura, sabor e aparência dos produtos para que o cliente encontrasse o que costuma ter quando come uma proteína animal. No entanto, atrair a atenção aos produtos da linha ainda se mostra um grande desafio para as duas empresas. Fortemente impactado pela pandemia, o segmento de food service perdeu quase um terço dos operadores em 2020 (são 90 mil agora), além de registrar queda de 24,4% nas vendas (de R$ 184,7 bilhões em 2019 para R$ 139,9 bilhões), segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia).

Marques revela que, apesar da demanda dos clientes pelos produtos de proteína vegetal, muitos operadores têm evitado alterar o cardápio diante das dificuldades já encontradas para comercializar os produtos habitualmente oferecidos. “Neste momento, a gente sente dificuldade de mercado. Mas não é com o produto ou a categoria. É geral. Por isso também a parceria com a Gofind.” Apesar disso, ele aponta três pilares que indicam o aumento de pessoas interessadas em rebalancear a dieta. “Você tem a questão da saúde, do impacto no meio ambiente e do tratamento dos animais. Existe mais preocupação de diferentes indústrias com esses impactos. A gente acredita que esse segmento vai crescer.”

O vice-presidente da Unilever espera que possa haver um auxílio mútuo entre os estabelecimentos comerciais, os consumidores e as duas empresas com a divulgação do portfólio da The Vegetarian Butcher. “A Unilever e a Gofind têm o foco de comunicar ao cliente a opção. Por outro lado, também podemos ajudar o operador que está em dificuldades para que consiga se relacionar com o consumidor. Esse movimento vai reforçar a ajuda para os dois lados”, afirmou.

Projeções

As perspectivas para 2021 se revelam favoráveis. A estimativa da Abia é de crescimento entre 22% e 25% do food service. E a Univeler espera um incremento de 1 bilhão de euros de caixa em até sete anos com a linha de produtos vegetais – a multinacional, no entanto, não divulga o quanto a linha representa no faturamento mundial, que, em 2020, chegou a 50,7 bilhões de euros, redução de 2,4% em relação a 2019 (51,9 bilhões de euros), afetado principalmente por questões cambiais.

Já a indústria brasileira de alimentos no geral cresceu 12,8% no ano passado, para R$ 789,2 bilhões, somadas todas as vendas do mercado interno e externo. “Diante de tantos desafios enfrentados em 2020, a indústria de alimentos conseguiu manter o abastecimento funcionando normalmente”, disse João Dornellas, presidente da Abia. “Além disso, criamos empregos (20 mil diretos) e exportamos mais produtos industrializados (aumento de 11,4%), ou seja, de valor agregado”.

Fonte: IstoÉ Dinheiro. Publicado em 16/04/2021, às 11h00, por Ângelo Verotti.

https://www.istoedinheiro.com.br/unilever-se-encontra-na-carne-vegetal/


Veja também